Será que o segmento das Station Wagons está realmente em extinção?

Segundo wikipedia, “station wagon” é um estilo de carroceria de automóvel derivado dos sedãs. Sua característica principal é ter maior espaço compartilhado entre passageiro e carga, e acesso atráves de uma porta traseira. Sua origem remonta a década de 1920, com fins comerciais, na Inglaterra.

Para nós, na prática, as SW (ou peruas, ou caminhonetes) são tidas como carros de famílias maiores, que precisam de espaço abundante, normalmente com porta-malas acima dos 400 litros, para acomodar muita mala, acessórios de bebê, compras, etc.
No Brasil, já se viram muitos modelos desde os anos 70 (nem fomos tão lá para trás na Rural Willys na década de 1950). Acompanhe a retrospectiva de algumas figuras que marcaram nossa indústria:
Ford | Belina, Escort SW
Volkswagen | Brasília, Parati, Santana Quantum, SpaceFox (em linha)
Fiat | Panorama, Elba, Tempra SW, Marea, Pálio Weekend (em linha)
Chevrolet | Marajó, Caravan, Corsa Wagon

A Toyota Fielder foi um sucesso nos modelos de porte médio até seu fim. Outras mais recentes que também não resistiram foram: Peugeot 207 SW e Renault Megane Grand Tour.

A conta é simples – fora os modelos importados de porte luxo – VW Jetta Variant por exemplo, só temos 2 modelos em produção. Mas a novela continuará – seguindo a tendência do que fez a VW que manteve a linha Gol mas não ressuscitou a Parati, a Fiat segundo notícias que vem sendo veiculadas deve encerrar a produção do modelo Weekend com a possível produção de um SUV.
Ao que parece, podemos pensar nos fatos que levaram a esta extinção: os utilitários e SUVs que conquistaram o coração dos brasileiros com a combinação status, altura e espaço – lembrem-se dos fenômenos Blazer e EcoSport. Depois foram as minivans que roubaram a cena, como a Renault Scenic, o Citroen Xsara Picasso, Nissan Livina e Honda Fit.
Quando você faz uma viagem pela Europa, por exemplo, vê-se tanta SW quanto sedãs e utilitários. O fato é que ao que tudo indica, com uma grande leva de novos utilitários a caminho, este segmento para fadado ao esquecimento até que alguém o abocanhe como um nicho de oportunidades.
PG

Author: PG

Share This Post On

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *