Você esta pensando em comprar um carro 1.0 novo? Veja novidades que estão a caminho!

O ano de 2012 promete ser de muitas novidades para a indústria automobilística em todos os segmentos, mas no caso dos chamados carros “populares” as boas novas já começam a despontar no segundo semestre de 2011. E prometem! Todas as montadoras se agitam como se fosse o preparativo de um pitstop de uma corrida de Fórmula 1.
Depois do tsunami causado no mercado pela chegada do novo Fiat Uno no ano passado – lançamento que deu trabalho até mesmo dentro de casa, pois roubou a cena do já cansado Fiat Palio – os primeiros movimentos deste ano são os “face-lifts” (repaginação visual leve) do  Ford Ka, que começou a ser vendido este mês e do Renault, que ganhou inclusive melhorias de ergonomia  interna e versão com câmbio automático (não é “semi” como nos concorrentes).
Mas as novidades de verdade virão da Fiat que enfim trará a tona uma nova família Palio no último trimestre, com design totalmente diferente do atual e nova motorização. A ordem de chegada deve ser Palio (hatchback) e logo depois o Siena. Os irmãos Weekend (SW) e Strada (pick-up) tem futuro indefinido e ao que tudo indica devem ser substituídos somente entre 2013-2014 por outra família de modelos. Veja a projeção do novo Palio feita pela revista Auto Esporte.Outra novidade que deve sacodir o setor é a estreia da Nissan no segmento dos compactos e ela promete repetir a fórmula de sucesso de outros modelos da marca no país – boa relação custo x benefício com mais equipamentos de série que os rivais. O novo “March”, que já pode ser encontrado nas concessionárias em caráter de demonstração, virá de série com air bag duplo (sim! isto mesmo que você leu!), computador de bordo, ar quente e ajuste de altura do banco do motorista.  A versão de entrada deve ficar por R$ 29 mil e a mais completa R$ 35 mil. Haverá também opção de motorização 1.6. O novo Nissan March estreia nas lojas em outubro.
A caminho, em 2012, teremos o Citröen C3 reestilizado, o novo Peugeot 208 e o Chevrolet Spark (já a venda na Argentina) que promete aposentar o Celta. Já num futuro de médio prazo (uns 2 ou 3 anos à frente) veremos outras aparições como o substituto do Fiat Mille, o Up! modelo de entrada da VW, novos Renault Clio, quem sabe o charmoso 108, além de outras marcas brigando por este filão como a Toyota com o Etios e a Hyundai com o i15.
Tenha certeza de que a briga irá esquentar. Fique de olho!
PG

Author: PG

Share This Post On

3 Comments

  1. Mas mestre PG, Como ser feliz num carro 1.0? Além da sensação de insegurança pela lataria, quer dizer, plasticaria, não dá prá contar com retomadas em ultrapassagens… O que fazer, mestre??Abs, Gustavo Syllos Gafanhoto

    Post a Reply
  2. Mas Mestre da Distribuição ou seria da Dublagem?..A felicidade/satisfação de comprar um carro vai de encontro ao poder aquisito/realidade de cada consumidor. É bem verdade que os "plásticos" invadiram os automóveis em todas as suas categorias, não só nos populares! E quanto as retomadas, bem, faz tempo que carro de entrada no Brasil tinha motor 1.6….. Abçs, PG

    Post a Reply
  3. Meu comentário está um pouco atrazado…mas, mesmo assim, aí vai: – quanto a acabamento e materiais empregados, acho que os nossos carros de entrada estão muito bem…são seguros e o uso de plástico é generalizada em carros de todos os níveis (menos Audi, Mercedes e BMW, claro!) – quanto ao desempenho, está a altura do que prometem…não dá para esperar viajar com um carro destes, com quatro pessoas e bagagem,, e ultrapassar caminhões na contra mão na serra do azeite…tenho dirigido vez por outra, carros 1.0 e não tenho problemas…só não dá para esquecer o que se tem debaixo do pé direito…quem quiser ou precisar de mais motor, tem as opções 1.4 e 1.6, nem tanto pela potencia, mas pelo BEM maior torque disponível. Tive um Passat 83 que tinha a mesma potencia de um 1.0 atual: 72 CV, mas o torque era pelo menos 50% maior, sem falar no fantástico casamento motor/cambio/diferencial.
    O grande problema dos 1.0, na minha opinião, é de outra ordem: o consumo totalmente incompatível com o desempenho e o tamanho do motor: o meu Corolla, na cidade, é mais economico do que um 1.0 e isto que o motor flex da Toyota não é nenhum paradigma de economia!!!!

    Post a Reply

Submit a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *